NOTÍCIAS
Data de Publicação: 10-07-2019

Nelson Leal lamenta morte do jornalista Paulo Henrique Amorim:

"O jornalismo brasileiro perdeu um dos seus grandes mestres e a conversa política, a partir de hoje, estará menos afiada sem Paulo Henrique Amorim, sem dúvida um dos jornalistas mais brilhantes de sua geração, polêmico, crítico e insubmisso. Somando-se à perda de Boechat, em fevereiro passado, a crônica política amanheceu hoje muito mais pobre. Diariamente, o Conversa Afiada - seu site de notícias e comentário -   era uma das minhas primeiras leituras", lamentou hoje (10.07) o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia ALBA, deputado Nelson Leal, sobre o passamento do jornalista Paulo Henrique Amorim.

Além da relevância profissional de PHA - como o jornalista era conhecido - Nelson Leal destaca as relações afetivas que Paulo Henrique mantinha com a Bahia: era filho do jornalista baiano Deolindo Amorim, natural de Baixa Grande, no piemonte da Chapada Diamantina, e casado com a jornalista baiana Geórgia Pinheiro, formada pela Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia. ?Em novembro de 2015, PHA recebeu da Assembleia Legislativa da Bahia o Título de Cidadão Baiano, através de proposição do então deputado estadual Zé Neto, confirmando apenas a baianidade que já lhe corria nas veias. Portanto, a relação de carinho que ele tinha com a Bahia e os baianos não era mera formalidade?, ressaltou Leal.

O presidente da Assembleia Legislativa já apresentou moção de pesar junto à Mesa Diretora da ALBA, em solidariedade aos familiares, aos muitos amigos e milhões de leitores que o jornalista conquistou em seus 77 anos de vida. ?Rogo a Deus para consolar a família enlutada, na pessoa da jornalista Geórgia Pinheiro, oferecendo a nossa solidariedade e o conforto espiritual necessário neste momento difícil de perda de uma pessoa tão querida e tão importante para o Brasil?, destacou o chefe do Legislativo baiano.

CAATINGA E BOCA DO INFERNO

À época, em seu discurso na tribuna, quando da homenagem na ALBA, Paulo Henrique Amorim relembrou das suas origens e influências baianas: "Essa Bahia de Deolindo Antônio se instalou naquela casa no Rio de Janeiro, de aposentos modestos, de um funcionário público subalterno do Ministério da Fazenda e um jornalista de vocação. É a Bahia da carne do sol, da farinha até a sobremesa, a farinha para cobrir o melado da cana. Veio junto com Deolindo Antônio, um estilo de escrever que lembra a caatinga, um estilo seco, sem adjetivo, gracilianamente alagoano, um estilo na ponta da faca, que o filho herdou. E o filho hoje jornalista, que tem um blog de nome Conversa afiada, e talvez tenha herdado também da Bahia, além deste texto sem gordura do pai, uma boca do inferno, de outro poeta daqui, Gregório de Matos Guerra".

E continua o seu discurso: "A Bahia do sertão pra mim caiu no mar quando este cidadão carioca se casou com a baiana mais bonita da Bahia, Geórgia Cardoso Pinheiro, de Oxum, de todos os santos e demônios, do acarajé, da música, da gargalhada, da maledicência no bom sentido, da mesa farta, da família que não termina de chegar já que está sempre chegando um. Por causa dessa mistura, do seco do Deolindo com o olhar de Geórgia, me sinto muito honrado de ser baiano", completou. (Ascom).

Foto: Divulgação/Ascom

 

COMPARTILHE:
COLUNISTAS
PUBLICIDADE

Publicidade
Publicidade
Publicidade
TV ALBA

TV CÂMARA
LINKS
© 2006 - 2013 itamarribeiro - A Noticia Perto de Você – Itamar Ribeiro -Todos os direitos reservados
Editor: Itamar Ribeiro - (71) 9974-0449